quarta-feira, 4 de março de 2009

Como as Mulheres podem ter influência na Paz?

As guerras cada dia aumentam no planeta. As mulheres, as crianças e os idosos são as maiores vítimas das mesmas .Muitos movimentos de Mulheres pela Paz surgiram no mundo, muitas vozes femininas também lamentaram os atos de violencia contra seus filhos e filhas nos mopvimentos políticos. Mas isto não tem sido sufiente , nem tem levado a todas as Mulheres do Planeta se oporem as guerras.. Mulheres e crianças hoje fazem poarte de movimentos de guerrilhas, Outras se envolvem em atos de sequestro junto aos homens..Como mudar este panorama da participação das Mulheres em ações ou Movimentos pela Paz. No passado Mulheres se mobilizaram no Mundo em Prol da Paz..êstes movimentos foram se fragilizando...Na visão e orientação ds Escrituras as Mulheres serão elemtos indispensáveis na Construção da Paz. Mas como isto será possivel?Como as Mulheres poderão ou deverão se levantar pela Paz? No Livro "MULHER"-Seleção dos Escritos Baháis-Uma Compilação da preparda pelo Departamento de Pesquisa da Casa Universal de Justiça-Editado pela Editora Bahái do Brasil -2006 , lemos :"O que Abdu'l-Bahá quis dizer sobre as mulheres se levantando pela paz é que esta é uma questão que afeta as mulheres de forma vital, e quando elas formarem uma massa de opinião pública cionsciente e esmagadora contra a guerra, não poderá faver guerra.As mulheres bahái's já estão organizadas através de sua afiliação sendo membros da Fé e da sua ordem administrativa. Nenhuma organização adicional é necessária. Mas elas devem, através do ensino e através do apoio moral ativo que elas suportam a todo movimento direcionado a paz, buscar exercer uma forte influência nas mentes das mulheres com relação a esta questão essencial.

4 comentários:

  1. Sônia querida, muitíssimo obrigada por estar a nos lembrar o tempo todo sobre questões que, às vezes, parecem esquecidas. Todos temos nos indignado diante das ações torpes e sem precedentes, que as mulheres estão sendo capazes de praticar. Mulheres de todas as idades, e contextos sociais tornaram-se protagonistas de atos que, via de regra, eram praticados por homens que, respaldados na crença: 'machos' estão mais vulneráveis aos feitos degradantes por questões históricas, culturais, sociais, sexuais, etecéteras, justificavam-se. No caso do feminino nesse 'front', a gravidade é gigante! O estranho é que parecemos todas paralisadas diante dessa situação que evolui exponencialmente... cresce muito e cria ao redor de sí - é disso que tenho mais medo - ADEPTAS da violencia em todas as suas nuances. É como se estivéssemos sendo PUXADOS por essa onda interminável como que numa situação de 'encantamento'. Isso é assustador! As mulheres Bahá'ís devem se engajar, sim, 'mas sem perder a ternura (de Deus), jamais' (heheheh) Unirem-se antes, porém, será fundamental, até para estudarem meios de se fortalecerem para suas próprias famílias. Temos famílias! Muitas de nós têm filhos e estamos, sim, expostas à violências de toda sorte! Quantas violenciazinhas nós não estamos cometendo nas coisinhas mínimas do dia-a-dia? 'Palavras duras em voz de veludo'.. Meu Deus! Não adianta só saber que está errada. É preciso AMAR O AMOR e buscar meios de mudar. Unidos ficamos muito mais fortes e que nossos filhos possam ver em nós e na comunidade, o amor por Bahá'u' lláh sobre o qual falamos e a unidade sendo praticada tendo como exemplo de generosidade, Abdu'l-Bahá! Fundamento nas escrituras sagradas, muita oração, braços e mentes fortes e mão à obra! Com amor,
    Shirley

    4 de Março de 2009 20:55
    Excluir

    ResponderExcluir
  2. Oi Shirley, é oprimeiro comentário no Blog e especialmente vindo de você, com toda esta compreensão da crise humana, agora tornando as mulheres parceiras da violencia e mostrando a todas nós mulheres Bahái s a grça de sermos agentes de mudança antio-violencia na família e na sociedade. Um abraço. Adorei !Sõnia-Esperança

    ResponderExcluir

Comentários que contribuam para melhorar o BLOG,Mensagens similares,voltadas para o bem-estar humano.
paz,unidade,educacao,cidadania,familia,espiritualidade,direitoshumanos,bahai