sábado, 13 de abril de 2013

Ser Bahá'í no Paquistão

Ser Bahá'í no Paquistão: Shobha Das, directora de programas da Minority Rights Group, visitou recentemente Islamabade. Neste texto ela relata um encontro com um membro da comunidade Baha'i que lhe descreveu a sua conversão do islamismo, e as consequências da sua mudança de fé.

* * * * * *

Centro Bahá'í, Islamabade
L. nasceu muçulmano no Baluchistão, filho de uma mãe Baluche e de pai Pashtune. O Baluchistão ocupa a maior massa de território das províncias do Paquistão, mas é o lar de menor população das províncias do país. Embora tenha vastos recursos naturais (petróleo e gás, carvão, entre outros), é extremamente pobre.

Os nacionalistas baluches têm estado envolvidos num conflito com o governo do Paquistão durante décadas devido a abusos de direitos humanos e de partilha de rendimentos; alguns nacionalistas querem nada menos do que a secessão total. Segundo a Amnistia Internacional, Baluchistão sofre de uma "crise de direitos humanos". Todos os dias, grupos de militantes armados põem em perigo a vida de civis, e as forças do governo são, alegadamente, responsáveis por um número crescente e alarmante de assassinatos e sequestros.

L. abandonou o Baluchistão e mudou-se para a capital paquistanesa, Islamabade, devido ao conflito, "Foi por causa dos meus filhos; eu não sabia como mantê-los em segurança lá", afirma. Depois de crescentes desilusões com a forma como o Islão era praticado, L. teve uma série de experiências espirituais muito intensas. Como resultado destas, um dia L. encontrou-se no Centro de Bahá’í de Islamabad. A religião não é proselitista, mas após algumas conversas com outras pessoas no Centro, ele rapidamente se convenceu sobre o valor da religião para lidar com as dúvidas espirituais que o atormentavam. Pouco tempo depois, deu por si trocando o Islão pela Fé Bahá’í.

O que é atraente, afirma ele, é a mensagem da unidade humana. Para ele, isto é a religião que transcende todas as outras, com a sua mensagem de que "Deus é um, o homem é um, e todas as religiões são uma só."

Estrela Bahá'í com símbolos de outras religiões
No tecto do Centro está uma imagem gigantesca em vidro com da estrela Bahá'í e com os símbolos de religiões mais importantes do mundo. L. já aprendeu a ler e escrever persa para melhor aceder aos textos sagrados Baha'is, e vive com a sua família nas instalações do Centro Baha'i, onde cuida orgulhosamente e com sucesso para um jardim florescente ao redor do centro de recursos e da biblioteca.

Há cerca de 200 Bahá’ís em Islamabade, e talvez dois ou três mil em todo o Paquistão. Pergunto-lhe se os 200 de Islamabad usam este centro como local de culto. L. diz-me que os Bahá’ís não costumam rezar em congregação; o seu culto é um acto pessoal de comunhão com o seu Deus.

Em Islamabade, a vida para os Bahá’ís não é difícil, diz-me L. Não há discriminação activa e ele não está preocupado que as pessoas digam que ele é Bahá’í. Aqui, ele usa roupas ocidentais: um camisola grossa para suportar o inverno frio de Islamabad, sapatos fortes e calças para o exterior que poderíamos usar numa caminhada de verão alpino.

Cartaz no Centro Bahá'í
No entanto, quando vai a casa no Baluchistão, ele veste as suas roupas Pathan de salwars e túnicas largas; se usar qualquer outra coisa, afirma, seria pedir mil perguntas e reprimendas, ou pior. Além disso, a sua família no Baluchistão não sabe que ele já não é muçulmano. Também nunca lhes iria dizer, diz ele, porque instantaneamente eles deserdá-lo-iam. Os seus filhos e esposa também são Bahá’ís mas isso nunca é mencionado quando estão no Baluchistão. Quando lá estão, acrescenta, "todos nós fazemos o namaaz e enquadramo-nos na cultura muçulmana. Não há outra maneira. "

Documentos de identidade no Paquistão exigem a declaração da religião do titular. Os documentos de identidade de L. não foram alterados desde a sua conversão; ele ainda é apresentado como um muçulmano. Se ele mudar isso, as viagens de visita ao Baluchistão estarão cheias de riscos de risco - as minorias religiosas no Paquistão estão todas muito conscientes de recentes incidentes com autocarros a ser parado em áreas remotas, sendo pedido aos passageiros os cartões de identificação; os membros das minorias são assim identificados e mortos a tiro. Mas ele gostaria de ter a sua nova religião nos seus papéis. "Tudo a seu tempo", diz ele.

No entanto, diz com orgulho, quando registar os documentos de identidade das crianças, ele vai declará-los como Bahá’ís. Pergunto-lhe se eles vão ser capazes de falar mais livremente das suas crenças religiosas quando forem crescidos. "Inshallah", responde. "Inshallah".

------------------------------------------
FONTE: A Pakistani Baha’i’s story

*********************************************************************************************Postagem do Blog- Povo de Bahá de Marco Oliveira, Membro da Comunidade
Bahai de Portugal
Sonia Maria
AtomBlog -Ternura de Deus::Ser Bahai no Paquistáo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários que contribuam para melhorar o BLOG,Mensagens similares,voltadas para o bem-estar humano.
paz,unidade,educacao,cidadania,familia,espiritualidade,direitoshumanos,bahai